sábado, 19 de abril de 2008

flato

Elevador no gás

Estava no nono, queria ir pro décimo segundo. Mas aí, toda vez que o elevador parava, era pra descer, apesar de eu apertar o botão pra subir. Daí que eu me cansei e o peguei logo mesmo na descida, na companhia de um menino com cabelo por crescer, desses pré-adolescentes. Quarto andar, ele desce. O elevador vai até o térreo, apesar de eu ter certeza de que ninguém mais vai subir nele. Vontade absurda de peidar. As portas se abrem. Ninguém entra. Sai devagar e silencioso o gás que me queria escapar faz tempo. Uns cinco segundos depois, começo a sentir seus efeitos.

Mas aí o elevador decide parar no segundo andar. Entra uma distinta senhora com roupa de ginástica, caminhada, algo assim, a calça nas cores preta e branca. Ela dá um “boa tarde” que decai no “arde” bruscamente. Ela sente o futum, olha pra mim (que olho pro teto) e pergunta: “Como você tem coragem de soltar um peido desses num elevador?” Muito sem graça, mas achando que ela não tinha o direito de me afrontar no que tange às leis das necessidades naturais, decido discutir:

- Olha, a senhora vai me desculpar, mas eu estava com muita vontade de fazer isso. Até esperei o elevador subir outra vez pra que eu pudesse, sozinho, dar conta dessa bufa, então a senhora vai desculpando aí. A culpa é da senhora que entrou.

- Que absurdo! Você ainda assume!

- E o que eu faria se não assumisse? Colocaria a culpa no botão do elevador pra tirar o meu da reta?

Silêncio. Ficamos os dois incomodados e constrangidos enquanto o elevador subia rumo ao décimo segundo.

Chegávamos no sexto e o futum ainda persistia soberano no recinto.

- Mas que espécie de flato é esse que você liberou que até agora não baixou? Ele está aceso como se fosse recente!

- Normalmente os peidos não duram mais do que cinco, seis segundos, mas esse é o longa vida.

- Que história é essa?

- É que esse é fruto da bebedeira de ontem. Peido de pinga é quase um pudim de tão denso.

- Argh, que carniça, parece que você comeu um gambá ao molho de cu de abutre.

- Com repolho.

- Nossa Senhora da Abadia, você está podre por dentro, meu filho.

- Talvez melhor que a senhora por fora nessa roupa de Free Willy.

- Que indecente! Além de peidorreiro, é abusado!

- A senhora fala do meu gás como se também não soltasse um peido frouxo todos os dias. Aliás, catorze, que é a média pra pessoas da sua idade.

- Meus flatos não fedem nem fazem barulho!

- Duvido. Com essa bunda aí, quando a senhora peida as nádegas devem bater palmas.

- Olha o respeito, seu podre!

E o décimo segundo andar chegou. Eu ia descendo.

- Só mais uma coisinha: pffffrrrrrrrrr!

- Seu pútrido!

E eu só ouvia as maledicências e ela descendo.

8 comentários:

Mariana disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
adoreei!!

Beijoo
Mari

Jéssi Frazão disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

Quase engasguei com o suco que eu to bebendo aki de tanto rir do seu post Guga!

Eu tbm adoreeeeeei!Esse vc conseguiu se superar,foi mto mto
engraçado,Mas éh uma história totalmente verídica?
se for...hilária!
Se não for...tbm!
hehehhe!

Seu blog éh 10!
Amuu vir te visitar!

beijinhoos
Jéssi

Rafael disse...

ainda bem que esse e um flato nao contreto.....
hauhaubhauahauah

Rafael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
.guga valente. disse...

Jéssi, claro que a história é verídica, acha que eu publicaria aqui algo que não corresponda à verdade? kkkkkkkkk nem pense nisso...

georgeton disse...

to passando mal de tanto rir aki
tu n tem noçao msm
uhauhahuahu

flws

Jéssi Frazão disse...

Huahuahuahua!!!
Êh guga,que coisa "feia" vc anda fazendu pelos elevadores da vida!


rsrsrsrs****

Paula Daiana ^^ Danna disse...

kkkkkkkkkkkk
vc nunca ouviu akele manifesto:
"Não solte pum no elevador" ??!

amei esse post Guga!!

besos...