domingo, 24 de agosto de 2008

Youtube, a oficina do diabo




Quando conheci o Youtube, há uns dois anos no máximo, eu achava que o fim da televisão estava próximo. Eu não estava errado, apesar dessa previsão ser como a de que o Papa não deve durar mais uns 20 anos (afinal, ele tem mais de 80), ou seja, muito previsível.

Comecei a ver as coisas que eu gostava e que há séculos eu não via (episódios de desenhos animados, trechos de filmes, propagandas antigas, etc.), sempre me divertindo até a fechar a conta.

Depois comecei a ver as produções individuais, filmagens pessoais, videocassetadas que não foram pro Faustão, etc. Muito lixo e muita coisa engraçada. E muito lixo engraçado, conseqüentemente.

Daí, começaram as paródias. Tudo pode ser parodiado. De banda Calypso tocando “Aces high” (Iron Maiden) a uma banda hippie setentista chamada Apache tocando num clipe esdrúxulo ao som de Cannibal Corpse. Esse é doente de tão bom. Tem também o Slipknot tocando “La bamba”. O clássico, pra mim, são as versões (improvisadas pela fonética) em português de cantores indianos, como o clássico “Rivaldo, sai desse lago” ou “Golimar”. Este, com o refrão marcado por um eco feito na tora “Golimar... mar... mar...”, sem contar que é um plágio toooooooosco do “Thriller” do Jacko.

Aliás, tosquice é um elemento constante no Youtube. Quanto tempo eu já perdi esperando baixar coisas que achei que poderiam ser interessantes e, no fim, eram ridiculamente ruins. Mas a tosquice tem seu lado bom, sempre. Vide a abertura editada do clássico herói japonês Jiban, em que no refrão temos a imagem de um Adalberto feito no paint matando o herói de rir. “Jiban, Jiban, ri do Adalberto e morre”.

A edição de vídeos que já existem é outro grande trunfo. Há um curto e ótimo vídeo lá do Darth Vader chamado “Darth Vader being a smartass”, de 46”, que é fantástico, típico do Chaves. Aliás, Kiko dançando “atoladinha” é outro clássico.

Eu, que parei de ver televisão há um tempinho, não me canso de procurar porcaria no Youtube. Percebo que aquilo ali é melhor que tevê, porque você escolhe o que quer ver, mas acaba que a gente de cabeça vazia torna-se mais e mais tosco. É o que tenho dito, Youtube é a oficina do diabo.

4 comentários:

Amanda disse...

O Guga como estas?
espero q bem...sempre tenho lido seu blog ai deu vontade de fazer um pra mim..me destrair escrevendo!!
ai depois vc vai la... da uma visitadinha! naum e xike q nem o seu (e humilde) n repare a acentuaçao nesse pc naum tem! o end. e esse -> www.contexturadeleite.blogspot.com

Thaís disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Karine L. S. Câmara disse...

Oi professor, como esta?

Jéssi disse...

Youtube é vício!
Infelizmente!=/
Era melhor estar lendo um livro mas nããããooo...preferimos ver vídeos dos primeiros episódios de Chaves ou o Kiko dançando trance(ou atoladinha) ou a propaganda da Parmalat. Lembra??0.o
Aquela dos bichinhos,cada criança representava um bicho diferente!
Por que eu lembrei disso agora?
Não faço a menor idéia,maaas...
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Que nem tipo igual parecido que lembra o que você disse,
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk,
pelo menos não temos um monopólio e uma alienação sensacionalista como acontece na Globo com seu velho slogan:Manipulação:a gente vê por aqui!
hehehe
Beijos Guga