segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

i

Pra quem me perguntou o que era prosa poética... mas já adianto, isto não é uma boa resposta.
___________________guga




Muito tempo sem escrever. Acho que perdi a mão. Ou ela não me respeita mais. Ou invento desculpas para não praticar. Ou jogo no pc para despistar a vontade. Ou releio os recados e me xingo. Ou apenas desabafo com minha consciência suja. Ou desrespeito os meus poucos leitores. Ou lembro que minha leitura está atrasada. Ou recito versos, crio poemas, estudo linguística, sonho com motos e pessoas, bebo cervejas, como carnes, rio, rio, rio e volto à mesma míngua mole e massificada dos meus textos infinitos – porque, veja só, não os finalizei.

Leio Clarice Lispector e Fernando Sabino trocando cartas. Leio Huxley via e-book. Leio Veja pra ter sempre o que falar, mesmo quando não houver significado. Leio os filmes que vejo. Leio as pessoas. Leio a rua. Leio as nuas. Leio esse-eme-esses. Leio Rolling Stone e títulos de spams. Letras punks eu não leio. Eu as ouço.

Sinto cheiros, lato, perco a voz, solto, insulto alguém, insinuo fadigas, corro, tenho vontade de correr como Gump e contar histórias tão bem quanto ele. E, num processo de autodepreciação incrível, religiosamente pareço não acreditar em milagres. Eu não acredito neles. Eu não acredito. Eu não. Eu. Eu, quem?




Seus textos sempre me afetam. Minha pele muda de cor quando eu estou perto dessas letras. Não estou nu, mas poderia. Até um soneto eu fiz.

4 comentários:

Alisson Caetano disse...

Gostaria muito de dizer que esse texto vale "60" pra me vingar da raiva que me fazia passar no cursinho!
Mas é indiscutivelmente "100"!

Foda demais!

Paula § Danna disse...

Eh, as consciências são sujas..
mas até os porcos já ganharam pérolas.
Pode desabafar...

Jéssi disse...

Me arrepiei lendo teu texto. Tão bem escrito, senti plena e totalmente a mensagem. Nossa, se um dia eu conseguir chegar perto de escrever como você, de fazer alguém arrepiar com o que escrevo, meu peito se encheria de orgulho.
É incrível como você sempre acha as palavras certas, o raciocínio certo, o desfecho certo.
Indescritível tudo isso.
Guga, você é foda.
Admiração demais.

Larissa disse...

Acho que eu me sinto assim de vez enquando! Otimo texto guga! =]