segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

evolução?



Assinala a mais recente teoria da evolução de que não sobrevive o mais forte. Não é ele que seleciona quem vai sobreviver, é o mais fraco que determina isso. Se um guepardo persegue incansavelmente dois cervídeos, o que não conseguir escapar é que garante a sobrevivência do outro. Isso é interessante, porque muda nossa perspectiva do que é ser evoluído e nos joga diretamente no cerne da nossa própria noção de desenvolvimento e evolução.
Ora, a ideia de que os mamíferos são os animais mais desenvolvidos do planeta, ou de que o ser humano é o ser mais evoluído está ultrapassada. Ela não condiz com a realidade de sobrevivência de todos os seres que hoje habitam a Terra. Pode-se dizer, de fato, que o ser humano é apenas mais um animal da natureza. E um animal dos mais estúpidos, diga-se.
A nossa presunção em nos achar superiores aos outros animais por causa da nossa "inteligência" e "raciocínio" extremamente "desenvolvidos" nos leva a crer, concomitantemente, que tudo podemos porque estamos no topo da evolução. Na realidade, somos bem piores do que muitas bactérias, estamos aquém de seres muito mais simples do que nós e temos um senso de justiça distante da lógica mecânica do nosso planeta. Somos seres tão insípidos, que tivemos de inventar uma justiça nossa, porque a da natureza não nos serve, porque fere a nossa inteligência, porque segue as leis naturais e tira o nosso da reta na hora de fechar a conta com o meio ambiente.
Em outras palavras, subestimamos a terra que nos fornece o alimento, desprezamos as árvores que nos proveem a limpeza do nosso ar carregado do nosso CO2, estraçalhamos a vida dos mares e minamos a corrente dos rios com nossos metais para garantir o luxo de madames que desconhecem o que vem a ser extração de recursos não-renováveis. Em outras palavras, somos a imundície de nosso sistema solar e, mesmo com todos os avisos de que o fim está próximo, por religiosos, cientistas, ateus, profetas e gente comum que nunca viu tamanhos desastres naturais, nós continuamos apostando na Mega Sena pra pegar essa bolada e poder consumir à vontade, sem dar qualquer retorno ao pó de onde viemos ou ao pó aonde retornaremos cada vez mais em breve.
Enquanto a nossa noção de evolução estiver atrelada à mera capacidade de utilizar instrumentos tecnológicos que nos propicie uma vida mais fácil, enquanto consideramos que prosperidade é acumular bens e sinônimo de ficar rico, enquanto acharmos que o mundo que inventamos pra nós vai sobreviver ao mundo que estamos destruindo, nós nunca poderemos nos chamar de evoluídos, pois esse processo já tem um nome: processamento de lixo.

3 comentários:

Mariana disse...

Como é bom ler seus textos, Guga. É como se eu estivesse matando um pouquinho da saudade de cada aula sua... E QUE aulas! Parabéns, parabéns e PARABÉNS! Ah, eu vi um pouquinho de Matrix no seu texto.. (hehehe). Adorei!

C. Gatinha disse...

Bom...nunca tenho o que dizer...do pó nascemos, ao pó voltaremos...com pedaços da vida...OO
Sempre me surpreende!
Saudade...

nayara disse...

Mais um belissimo!